quinta-feira, 14 de maio de 2009

Carta de Deus

Machado,

Sei que parece estranho, mas sou eu mesmo. Quero te esclarecer medos e angústias, e toda esta loucura que tanto questionas.
Já sei que você acredita em mim. Já entendi e acredito quando me dizes, toda noite. Acredite, isso é bom tanto para você quanto para mim, e para nossa relação. E que bom que acreditas também no meu poder e em todas as possibilidades que dei para que sua vida possa ser do jeito que você escolher. O livre arbítrio é seu.
De tal premissa, digo mais: tenha calma. E tire essa calma de onde sempre tiras, ou seja, de dentro de si mesmo. Calma essa que te dei herdada do jeito de sua mãe. Pega esta calma e respira, pensa, mas não se esqueça de mim.
Você sabe que errou. Errou feio e eu acredito no seu arrependimento, acredito quando pedes perdão. Acredito na tua culpa e que não faria se voltasse. Eu sei que não faria, tens me mostrado isto. Mas fez, certo?
E é assim que as coisas funcionam. Não só para mim não, para a vida mesmo. Você fez e vai pagar. Demorou demais até para vocês (todos) entenderem o princípio da ação e reação, mas já que já entenderam, têm de segui-lo. Mas dentro de você estou tentando te dizer (e também mostrar) que não vou ser mau contigo. Maldade tem limite e isso não é coisa minha, você sabe.
Você vai ficar bem e vai se livrar deste mal que tem te consumido. Não sei se te é novidade, mas o mal que te incomoda é reação, é seu, filho e criado. Infelizmente (ou não), não posso impedi-lo de agir. Só não vai ficar aí para sempre, porque você é bom. Você tem se esforçado - tenho visto - para não fazer mal para as pessoas, e o que você chama de "própria justiça", mesmo sendo diferente da minha - acredite - é muito válido. Faz parte daquele livre arbítrio, do qual lhe falei.
Não vou me tornar extenso, fui claro para o que devia. Machado, você é um ser pensante e não pediu para ser assim, mas não me culpe por isso, cara! Prefira sê-lo, porque te fiz assim e porque tem gente que te prefere assim. Pode apostar que sim.
Só não deixe nunca de se lembrar que, depois do seu acidente, a cada partida que dá em cada carro eu estou ali contigo. Quando sai eu fico contigo, mas fico também em tua casa, olhando para o que prezas. E que, o mais importante: o amor que tu sentes é puro e é teu. Eu te permiti sentir, e faça um bom uso dele, porque só assim estarás de bem, em paz.
Pare de me pedir paz, seja-a.

4 comentários:

Naakey disse...

omg...

Tati disse...

Simplesmente perfeito... Ouvir o que há em nosso coração e colocá-lo em palavras... Parabéns meu amigo 'desbravador'! Não falo apenas por este texto, mas por todos, mas enfim, como não comentei ainda, achei ESTE texto mais que perfeito para comentar...
Ah, só uma frase que lembrei lendo esta carta: "O milagre se dará por duas vias, uma é minha e a outra é sua", lembre-se...
Grande beijo
Tati

Renato Menezes disse...

A percepção do outro e o auto-conhecimento são fatores em pleno exercício no seu texto. Parabéns.

Naakey disse...

hauhauhua... esses comentários sérios do Renato me matam ainda!!!

Postaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!