segunda-feira, 25 de maio de 2009

A teus cabelos

E sim, meu bem, eu te amo
Mas não tanto porque me apetece
Amo-te mais, por teus olhos
E porque tens cabelos
Curtos e, ainda assim, lindos.
Amo-te, meu bem, sem culpa
E ja tive tanta culpa disso
De ter que te amar, e ter medo
E de guardar em segredo esse amor (oh meu Deus!).
E de desejar-te tanto,
Porque, além de tudo
Eu amo desejar-te tanto.
E amo também, ver-te dormindo
Sei que você não percebe,
Também eu sei que não queres
Mas aliso teus cabelos
Que são curtos e, ainda assim, lindos.
Quando você me belisca
Porque olho para outras moças
Meu amor, não ligue, não brigue
Pois te desejo tanto
Que te olho mais que pra elas
Que te olho tanto, e não canso
De tocar estes teus cabelos
Curtos e, ainda assim, lindos.
E ainda mais que os cabelos
Tem tua espontaneidade
E a velha habilidade
De te despir, inteira
Porque tens curvas belas,
E perigosos caminhos
Porque tens gosto doce
E te desejo tanto
Tanto que até me perco
Entre esses seu cabelos
Curtos e, ainda assim, lindos.

Nenhum comentário: