quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O tempo e o amor (continuação)



- Acorde, acorde!

- Ah..ahn...quem é você? – A linda menina questionou, ainda parecendo estar desacordada.

- Eu sou um jovem sonhador, que acredita no bem, e na força dos pensamentos. Um jovem em busca do futuro, de conhecer o que há do outro lado, onde um dia hei de chegar! E você, está bem?

- Estou...é...acho que estou. Sou uma garota, apenas uma menina, com sonhos de menina e âmbito de mulher. Sou uma moça em busca do meu passado, do que me trouxe até aqui, e do que fez com que eu fosse o que sou hoje. Uma garota em busca do passado, de conhecer o que há do outro lado, que é de onde vim.

O jovem ficou confuso, e lembrou das palavras do velho homem. Sabia que seria loucura, porém resolveu arriscar, e contou com o acaso. Ou com o destino? Já não sabia ao certo, o que sabia é que estava ali, exatamente onde deveria estar. Ou não.

Após muita conversa, se conheceram melhor, os dois. Ele, jovem e sonhador, aventureiro, em busca de um sonho. Ela, com as mesmas características, e a identificação era cada vez mais nítida, mais sólida. E, com muita sensatez, os dois reconheciam esta linha forte que acabam de criar, este elo, que se tornava cada vez mais consistente.

- Mas o que nos trouxe exatamente até aqui? – Indagou a garota – Não estamos onde queríamos estar: eu não encontrei o meu passado, eu encontrei você.

- E eu não encontrei o meu futuro, não sei bem onde estou, o que sei é que encontrei você.

E disseram em perfeita sintonia:

- Nós nos encontramos.

Riram. Riram e deitaram no chão de tanto rir, e se olharam fixamente...



---

Essa estória não termina aqui. O que se sabe sobre o jovem e a menina, é que se encontraram curiosamente, por um profundo e intenso golpe do acaso, em um lugar que não exatamente importa, e em um momento que não deve fazer parte do passado ou do futuro, de nenhum dos dois.

Fato consumado é que o tempo errou. Errou para os dois, pobres jovens, que a cada sorriso conheciam o amor, sem mesmo saber o que é este sentimento. E o tempo erra mesmo, e assim os fez perfeitos, um para o outro, como nunca identificado antes, na vida de cada um deles. Entretanto, na hora errada, no lugar errado.

E assim é melhor deixar como está: os dois ali sorrindo, se identificando e se encontrando pra sempre. A magia deste encontro é essa, o errar do tempo, o acertar do amor.

2 comentários:

Naakey disse...

A relação deles era apenas de risos. Quanto mais riam, maior eram sua sintonia. E sim, mesmo estando em tempos errados.

Sinto sua falta!

Érika disse...

Uau!!! ...
Sem mais palavras. Saudades...
:-)