sábado, 13 de março de 2010

Não


Não me desarme neste teu sorriso
Não brinque com fogo, comigo
Não vê quanto eu sou perigoso?
Não vê, cá em meu corpo, estes riscos?

Não farás em mim qualquer dano
Não sendo uma a mais em meus planos
Não percebes tamanho engano?
Não calculas este ato, humano?

Não pense ao abrir teus braços
Não julgue-me um dos seus trapos
Não sabes não ter capachos?
Não olhas pra quaisquer lados?

Não sei não ser tão errado
Não sei não fazer-te um filho
Não pensas ser arriscado?
Não quer se casar comigo?

3 comentários:

Pipa. A que sonha. disse...

Aconteça o que acontecer, amanhã espero você no trem. Nós precisamos ir. Vamos fazer isto antes que o meu pai chegue.

Ailмα... disse...

Poesia perfeita poeta!!


Feliz Dia da Poesia.

Obrigado pela visita e Sintaxe a vontade pra retornar sempre!


Beeeiiijos*)

naakey disse...

Caso