quarta-feira, 21 de abril de 2010

Mandar flores ao delegado


Chego, paro o carro quase que de frente para o portão.
É uma recreação, muita gente pra lá e pra cá, crianças e seus pais saem com seus rostos pintados ali de dentro. Rio, ingenuamente.
Eis que tu chegas. Olho você vindo, lembro do sonho, da distância velha, e do velho medo. Abro a porta.
Com um beijo tocando o lado esquerdo do meu rosto com sua mão, arrepio. Deixo você perceber. Gosto mesmo disso.
No caminho, antes que eu possa tirar meus olhos da rua enquanto dirijo, sinto seus beijos em meu pescoço, quase que na nuca, enquanto vira para deixar tuas coisinhas no banco de trás. Arrepio, de novo. Gosto, muito.
Paro o carro, te olho, me olhas. Te quero, me tocas, e te beijo com ardor, com carinho. Te beijo com beijo, com sotaque.
Centímetros entre minha boca e a sua, meu rosto colado no seu, sussurro: "quero ficar sempre ao seu lado", e abraço.

Abraças.

Sonhamos.

2 comentários:

Raiana Reis disse...

Posso divagar contigo para compor um telegrama? ^^

¬ Neste abraço, encostados num ângulo suficiente para em alguns momentos os olhos atônitos se abrirem a ver que as sensações independem do cerrar das pálpebras, sentimos a certeza do encontro!
E seguimos, pra eu te ouvir depois do banho, contar e cantar ao meu ouvido o correr dessa vida, que às vezes é de mar, outras de cachoeira!

Beijos!

Dani disse...

É menino.

Sonhamos.