domingo, 2 de maio de 2010

Aquele Novembro



"De tudo vale te amar, sim, ó minha
bela e pura, ingênua e tão, tão perversa
que em conversa vejo mulher, menina
e que sem luzes posso olhar, sem pressa
Posso acariciar-te e ter inteira,
e dar meu amor em cheiro, a sós
Te amo e até dói, incendeia,
mata, cura, acalma
Acalma-me inteiro, após
vezes que me laceia,
ata, pura, ama
Me leva contigo às águas
seja sereia em nossa cama
faça um tormento em meu peito, chama
que eu atendo, e atento, abraço
Te laço, te ato, te acalmo
te amo"



*Escrito em 29/11/2007, e inacreditávelmente encontrado hoje. Existem coisas que a gente não explica, e as que a gente explica, prefere se calar. Quando não se tem muito a dizer, melhor mesmo fechar a boca. Porém quando se tem, diga mesmo. Ou escreva.

2 comentários:

Noe* disse...

Em 2007 vc já escrevia coisas lindas =)
Beijos e ótima semana que se inicia =*

Nana disse...

Nossa, texto de altíssima qualidade, literária e emocional.
Amei... amo.