domingo, 30 de maio de 2010

Sete, e oito!




Levanto e caminho até a sua mesa. Em um movimento sutil, estendo minha mão direita e você logo abre um sorriso. Aceita, com sua mão esquerda, e logo está em pé, ao meu lado, com seu vestido todo bonito.

Com poucas palavras, e um olhar seguro, te levo pro meio da pista. Você sorri, como quem adora, e logo me faz sorrir, em ar de beleza. Gosto disso, gosto de você.

Assim, te trago - minha dama - à minha frente. Olhos nos olhos, agora tu és minha, até o fim. Da música.

Sete, oito, em pensamento. Não há sorriso mais belo que o seu, que pede a condução. Aceito, e te levo, comigo!

E há quem diga que flutuamos, pois te conduzo com firmeza e tu danças como caminhas: leve. E é neste ritmo que somos estrelas, em um palco de sonhos e um céu de belezas, compartilhando calores e declarando amores escondidos.

Até que o silêncio nos separe.

3 comentários:

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

"Até que o Silêncio nos separe."



Achei que ele tivesse desparecido em combate.

Raiana Reis disse...

Algumas danças vão além da canção... (da sua inspiração, no Raios, as divagações rs)

Te sopro um beijo.

Renato Menezes disse...

Suave, como sempre. Textos que só me confirmam quem você é. Sensibilidade.