quarta-feira, 28 de julho de 2010

Saiba



É uma muralha, é um muro, uma bela maravilha
O teu sorriso é um sonho, mas o amor, de mentira?
Este meu medo é um abuso, pura disritmia
E a tua pele, um encanto, se me toca macia

Calma dor, não me lembre, de uma qualquer rotina
Calma força, apareça, quando estiver tranquila
Me mostre algo maior que a loucura, vazia
Que esta moça é tão doce, e o sorriso irradia

Com toda força eu digo, quero isso todo dia
Quero beijos nos sonhos, e teus sonhos em vida
Neste corpo desnudo, que minha mão desliza
Mergulhar, tua alma, acabar a poesia

Um comentário:

Raiana Reis disse...

Me fez lembrar o ritmo das Águas de março, na costumeira intensidade que seus versos sempre inebriam...