quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Corredeira

Aprendi até que cedo
Que não deveria ver
Que eles querem ensinar
Que eles querem que eu aprenda
E aprendi, além do mais
Que aquele que brinca muito
Que brinca com todo mundo
Tem problemas, meu rapaz
Tem problema, até, demais
E esconde por trás do riso
Que pensa que logo traz
Aprendi que quem ajuda
Se ajuda, ou o fará
Que não há constrangimento
Quando você afundar
Que conselho bom se vende
Que conselho bom, se nega
Se compra, troca, e se dá
Aprendi, pois, bem mais tarde
Do que deveria ter
Que precisa-se apanhar
E nem sempre, assim, bater
Aprendi que quem ensina
Nunca sabe pra valer
Vale o que quem aprende
É capaz de entender
Vale um prêmio, quem sabe
Quem minha mente invade
Pra que assim, eu aprenda
Que amar não é sofrer.

Nenhum comentário: