quarta-feira, 15 de dezembro de 2010



Venta muito aqui esta noite. Adoro o vento, mas hoje está muito, e então não aguentei e fechei a vidraça.
Agora, pelos vãos dos vidros, ouço o vento cantar. A música que ele acompanha é "Moonlight Sonata", de Beethoven. Parecem entrar em sintonia assustadora de tom e ritmo, alucinando minha capacidade de raciocinar. Em lapsos, ela desaparece e aparece tão rapidamente quanto relâmpago.

Dor.

Hoje estou sentindo a dor mais forte, mais que nos outros dias. Este encontro comigo mesmo, de tão arrepiante que me faz bem, perfura minha vida até alcançar minha alma, rasga meu peito e invade até onde pode. Dilacera e faz que vai matar. E eu aceito. Eu preciso renascer.

Não imaginava que seria tão, tão forte. Conhecer a sensação não me livra do impacto, e me prova que o reconhecimento é sempre mais difícil que a descoberta. O medo de encontrar de novo é sempre maior que o medo do novo.
 
Descarrego a arma e deixo as balas no criado, enquanto a aponto com o cão armado para as portas do guarda-roupa. Click. Testo meu olho mestre, meu respirar e meu perceber. Ainda sim armo novamente, enfio a arma em minha boca e atiro. Clack. Será que eu teria coragem?

Não me sinto psicológicamente preparado para diversas coisas. Ouvir determinadas músicas pode desafiar minha tendência ao suicídio, bem como perder para o sono pode significar minha própria sentença. Assinada pelas minhas mãos que ainda são suaves.

Fecho os olhos e faço uma oração. Peço que Deus alivie minha angústia e me conduza a entender os sinais que me são mostrados pelo caminho. Peço a Deus a paz, a universal. Ele tenta, eu sei. Mas me diz que não depende só Dele e eu acredito. Não é com bazuca que se mata formiga.

Ao levantar a cabeça, tomo o último gole de uísque e sinto as dores dos pontos que me foram arrancados. Por mais contrastante que pareça, o vento agora sopra "Voyage Voyage", com a harmonização mais triste que pode ter.

Eu triste, eu só.

Eu mesmo.

Bem vindo de volta.

Um comentário:

Ju Fuzetto disse...

Essas dores são particulas de um vento bobo. Logo passa. Acredite!

beijo