segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Pílula

A noite é fria, então, um banho quente.
A blusa mantém o calor, o blazer carrega o uísque. Noite fria, sabe como é.

Ele chegou, e a viu, de longe. Entrou, e de perto, fingiu que não. Orgulho bom é orgulho bobo.
Encontrou um qualquer e parou, jurou para si mesmo que não o fez estrategicamente, mas a quem engana? E eis que sentiu...
A mão da moça deslizou por suas costas, leve como deveria ser. Embora não tivesse a certeza de quem era, guardou em segredo quem queria que fosse. Tentou sentir o perfume, mas ela não estava tão perto assim.

Virou e a encontrou. Um sorriso belo e natural, porém parecia ter certas ressalvas, vai saber.
 - Oi!
 - Oi...

O fato é que seu sorriso, então, deve ter sido dos mais estranhos. Nunca se sabe que reação ter nessas horas.
O abraço foi bom, e embora tenha durado apenas alguns segundos, foi tão longo quanto deveria ser. Seguido de um silêncio embaraçoso, ele tentou disfarçar o contento, e chegou até a pensar que teve sucesso.

Talvez.

Um comentário:

Anônimo disse...

Que inspiração, heim!! hahah =)

Beijo, May.