segunda-feira, 5 de março de 2012

Como é que eu vivo sem?

E quando me perguntaram o que foi tudo aquilo em cima do palco, não teve como não responder:

" - Aquilo sou eu. Eu frente a elas, as músicas, onde cada uma do repertório - para mim - é uma mulher lindíssima, uma mais bela que a outra. Quando me vejo junto a elas, cada nota tocada é um movimento, natural e sentido, com todo o tesão daquele encontro. Eu transo com cada música.
Tem aquela que se deve tocar de leve, aquela que eu preciso de uma pegada intensa - e claro, uso - ou aquela que o ritmo vai sozinho, é só sentir e deixar levar.
O uísque? Ah, é um afrodisíaco, você sabe como é: a gente não precisa, mas quando usa, é bom demais!
E o meu instrumento, por fim, com a grossura do seu som e o tamanho do braço, é o que preciso para satisfazê-las. 
Fazer um show assim é uma noite de orgasmos múltiplos."