sábado, 10 de agosto de 2013

Manhattan

Sem emaranhados ou atropelamentos
É bem melhor falar
É bem melhor ouvir
O mais que a gente puder
Lá fora já está um silêncio
[será que a guerra acabou?]
Apenas murmúrios, balelas
Aqui dentro uma enchente
Aí dentro, câmara de gás
Porém, cá, em nossa mesa
Só lagrimas sinceras molhando o chapéu
E se a guerra acabou mesmo
Nossos muros foram derrubados
Pelas bombas de nossos rivais
No lugar, puseram grades
Dessas bem espaçadas
Já dá pra ver do outro lado!
Ainda que aqui de longe
Tento ver, e consigo
Seus problemas desde a infância
Deixo você ver também
Agora que já é adulta
Meus pesares de adulto
Misturamos os cheiros
Que passam de lá pra cá
E se os muros pareciam duros
Por detrás, ainda, os escudos
Hoje o que fecha as grades
É um grande cadeado
Vamos achar a chave?
Ou estourá-lo também?

Nenhum comentário: