quinta-feira, 19 de março de 2015

No que você está pensando!?


As coisas perderam um pouco o significado por aqui. E muitas outras além do significado, naturalmente, tornando esse universo da escrita quase anônima uma grande coisa do passado. 
Ainda que passado hoje em dia já possa ser apenas uma semana.
Confesso que gostava do mistério. De ninguém saber quem eu era, onde morava, qual bagagem eu tinha e o que de fato teria me movido e inspirado ao escrever um determinado texto. Fosse ele uma reflexão, um devaneio, uma poesia ou um conto.

Mesmo sempre tendo escrito meus textos com outros propósitos - dentre eles: canalizar minhas energias (positivas ou negativas), registrar aquele momento para a eternidade, saber que eu não podia contar com muito na vida e ainda sim as palavras estariam lá - tenho que dizer que ficava feliz quando minha mensagem atingia alguém inimaginável. 
Neste contexto de o texto ir parar em diferentes lugares do mundo - obrigado estatísticas do blog - é que conheci pessoas, viajei para outros lugares. Mental e fisicamente.

Hoje, não enxergando mais como dar prioridade para o blog e vendo que os outros blogs também não andam trazendo nada, quase botei a culpa na idade. Será que fiquei mais velho? Mais ocupado!? Isso me torna um desocupado quando escrevia muito!?
Não é isso.
E só penso que não é quando lembro dos textos que lia, das pessoas que os escreviam e do universo em que cada uma delas estava: todas trabalhando muito, correndo muito, e ainda sim por aqui.

Então me lembro de uma discussão interessante que sempre rolava. E sim, entre os que escreviam para seus blogs havia muitas discussões de fato interessantes...sobre publicar um livro. Toda a dificuldade, a burocracia, o acesso, a parte financeira, a falta de incentivo, tudo isso fazia com que rapidamente desistíssemos da idéia. O blog era, então, uma válvula de escape. Uma forma de poder publicar sua idéia para que alguém pudesse ler - e neste caso, alguém quer dizer toda a internet. Uau!

Por fim, o botão Post na rede social resolveu este problema. Não é preciso estar inspirado, escrever tudo corretamente (caso se tenha essa preocupação), organizar o texto, os episódios, as frases, pensar no formato, se terá ou não imagem, se ficou muito curto, muito longo, não importa mais. 

Simples assim.

Como consequência, tudo tornou-se público. Quando se posta, já podem ver sua foto, saber seu nome (O verdadeiro, Oh, céus!), onde você mora, o que já fez e o que faz da vida, sua família, onde esteve, onde está, e tantas outras coisas. Tudo tornou-se assim: chato.