terça-feira, 2 de junho de 2015

Grand Central


Se o mundo é sem paciência
Sem tempo, sem gentileza
Pra que você agir assim?

Não há mais agenda pra um Oi
E aquele café, só depois
Depois, me diga, do quê?

Nessa geração tão alheia a tudo
A gente bem que podia ir na contramão [não?]
Porque cada vez que você se esquiva
Ou que me atropela em tua lista
Nos põe em perigo, ali na multidão.

Se lembra que sempre odiamos perder?
Agora que havia algo em nosso favor
Inescrupulosa distância
Não merecemos viver mais com ânsia
Te encontro na estação bem perto das seis.

Um comentário:

Quem escreve disse...

Eu. Procurando onde está o curtir aqui.