segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Partida


Ora, meu bem, se a vida do marinheiro não é feita de amores, será do quê?

Amores que chegaram pra ficar...e não ficaram!
Amores que queriam ficar...e não podiam!
Amores que podiam ficar, e não quiseram.

Se a vida do marinheiro não for feita de seus amores, quisera ser feita do quê, então?

Amores que chegaram sem avisar, sem pedir!
Amores que não podiam ficar...e ficaram!
Amores que não deviam nem chegar...e ficaram,
E dormiram.
E moraram.

Ah, meu bem, meu bem...devo-lhe dizer que a vida do marinheiro é viajar. Como há então de lidar com isso?

Amores que desafiaram...e que pagaram!
Amores de primeira viagem...só se feriram!
Amores velhos de guerra...desfaleceram.

Digo-lhe com minh'alma...não há cura que resolva, corpo de tal calibre...

Que fere, corrói, e mata.
Que não tem pena, Que não tem medo
Encara e enfrenta
A dor e a morte
A morte de amor
De desejo, e fel

A vida do marinheiro é amar
Navegar, navegar e amar.
Partir, e chegar, e amar.

Até o dia de sua partida.

Nenhum comentário: