domingo, 1 de maio de 2016

Sabe?

Preferia mil vezes não te ver
A te ver
E me lembrar do quão inalcançável tu és
[Isso porque inalcançável é a palavra que mais tive dificuldade até hoje em saber se estava certa, veja só]
Que entre tuas fugas te encontro e já sei
Em breve, desaparecerás

E aí acontece de novo
Pelo clima da noite eu sei que não te perdi
E pela temperatura da minha cama eu sei que não te ganhei
Só não se engane
Isso tudo nada tem a ver com sexo
Mas sim, com calor

Porque fomos feitos incrivelmente sedutores
Cheios das possibilidades
Donos desses poderes
E até com certa preguiça
Que nos levou - por destino ou escolha - somente até a página seis

Empacados, então, estamos
Resolvendo outros amores
Ganhando e cumprindo favores
Sem sequer deixar pra trás o que já foi

Vamos vendo a vida
Que atropela os sentidos, todos
E aquela mordida no pescoço
Ficou guardada num bolso
A espera só de um esboço
Pra então desenhar nós dois



Um comentário:

Nordestina disse...

Vim te visitar e que lindo texto encontrei... beijos, menino das cachoeiras.