quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Chains

Dias após estar ali, frente ao trabalho, à loucura, a todo aquele novo universo, era certo que havia muito a se perguntar. E o fez:

 - Escuta...você nunca me disse, mas o que te trouxe aqui?
 - Bem...minha vida inevitavelmente me jogou longe de tudo o que não poderia ser meu. O que me trouxe aqui tem a ver com a história de amor mais bonita que eu já li.
 - Nossa...se importa se eu perguntar qual é?

Continuaram alimentando os animais, carregando os pesados fardos de comida. E enquanto seguiam de cerca em cerca, ele continuou:

 - A minha.
 - A sua história de amor te trouxe aqui? Como isso é possível, se histórias de amor costumam fazer as pessoas serem felizes para sempre? Ou, pelo menos, é o que costumava ler...
 - Também costumava acreditar nisso. Tive muitas histórias ao longo da vida que me fizeram ver e pensar muitas coisas sobre o amor. E tive a minha história, que me explicou de verdade tudo o que eu deveria saber sobre amar, ser amado, e principalmente, acreditar.
 - Você não deveria enrolar tanto...mas entendo se não quiser contar.
 - ...

Terminaram então a última leva, e sentaram-se ali no barranco, olhando a vista das montanhas e da névoa que as cobria durante o sol de fim de tarde. Aquele outono anunciava um inverno diferente dos anteriores, o que ainda trazia um mistério.

 - Como ela era?

 - Ela era doce. No sentido mais sensível que a palavra possa ter. Doce e intensa, como nunca havia visto e como nunca jamais vi, antes e depois. Seu jeito bonito de olhar me cortava por inteiro, desde quando acordávamos até a hora de dormir. E ah...como ela me olhava! Aqueles olhos grandes me faziam ter certeza de muitas coisas. De todas elas. 

 - Inclusive a de que ficariam juntos?

 - Sim, e felizes. De que éramos felizes e de que assim seríamos. Era como se houvesse um feitiço, algo mágico que nos prendia, nos fazia ficar olhando nos olhos por horas! Não precisávamos de muito mais que uma brisa vindo pela janela e o nosso cheiro. Sim, nos sentíamos meio malucos, mesmo...- e riu, com os olhos já cheio de lágrimas.

 - Onde estão esses olhos agora?

 - Divididos. Entre qualquer lugar do mundo que devam estar, e aqui, congelados pra sempre em minha mente. Não há um dia que não sonhe com ela, o mesmo sonho, toda vez.
E sabe, de todas as coisas que podia ter visto sobre o amor, não há nada maior do que sentir sua força, seu poder, o corpo todo tremendo e a certeza de que ali é exatamente onde se quer estar. Não poder estar ali, desta feita, se tornou minha maior pena. 

E isso me trouxe aqui.

Nenhum comentário: